quantia em dinheiro estabelecida como previsto na constituição e estatutos de tal associação. Esta associação será conhecida como Associação de Benefícios dos Ministros das Assembléias de Deus.

a. Administração

O Presbitério Executivo servirá como a primeira diretoria desta associação mas delegará a administração desta associação para futuras diretorias. Escolhidas pelo Presbitério Executivo e sujeita à ratificação pelo Presbitério Geral. Toda diretoria desta associação será, no entanto, sujeita ao Presbitério Executivo do Concílio Geral das Assembléias de Deus.

b. Investimento de Fundos

A diretoria da Associação de Benefícios dos Ministros será autorizada a investir os fundos desta associação em bons títulos de renda e propriedade dos Concílios Geral e Distrital das Assembléias de Deus e igrejas locais das Assembléias de Deus provisto que estes investimentos serão totalmente protegidos por hipoteca e por nota assinada pelos Oficiais dos Concílios Geral ou Distrital.

c. Contribuições e Benefícios

Os Recursos que governam as contribuições pelos membros e benefícios para acumular para membros da Associação de Benefícios dos Ministros serão incluídos nos estatutos da Associação.




ARTIGO XIII. INSTITUIÇ
ÃO

Seção 1. Reconhecimento

O Concílio Distrital reconhecerá a necessidade de treinamento prático de prováveis ministros e missionários. Deverá ter sincera solidariedade com cada esforço para prover tal treinamento onde os padrões de ensino e disciplina mantidos na escola sejam satisfatórios.

Seção 2. Instituições

O Concílio Distrital será solidário com o estabelecimento e manutenção de casas para crianças e para o idoso, e para ministros aposentados e missionários; e todo trabalho humanitário e educacional deverá ser para a melhoria do nosso próximo.

Nós autorizamos o planejamento, financiamento e desenvolvimento de casas de repouso do distrito como determinado junto ao Presbitério Distrital, para ser efetivado pelo Comitê Executivo Distrital e quaisquer outros comitês sejam considerados necessários enquanto dirigido por aquele corpo, com reporte de progresso feito periodicamente aos Associados pelo Superintendente Distrital.

Seção 3. Faculdade do Sudeste das Assembléias de Deus

a. Endosso e Patrocínio

(1) O Concílio Distrital Brasileiro endossa e aprova a “Southeastern College of the Assemblies of God” como sua faculdade teológica regional e por seu patrocínio torna-se um membro distrital do corporação da faculdade.

(2) O Concílio Distrital recomenda que casa assembléia coopere no suporte da faculdade quando surgir a ocasião.

(3) Este Concílio Distrital autoriza seu Superintendente, Vice Superintendente, Secretário e Tesoureiro a representar este distrito como membros da diretoria, para atender cada uma das suas sessões e votar em nome deste distrito em decisões feitas por aquela diretoria.

b. Suporte

(1) Este Concílio Distrital pelo presente autoriza seu Tesoureiro a enviar mensalmente para S.C.A.G. como uma oferta uma quantia igual a 5% do dízimo dos ministros recebidos mensalmente.

(2) Este Concício Distrital além disso recomenda que cada assembléia suporte financeiramente a faculdade como seja possivel.

(3) O boletim do distrito mostrará um artigo todo mês fornecido pelo departamento promocional do S.C.A.G.

c. S.C.A.G. Organização Distrital

Para expedir esforços promocionais do S.C.A.G. dentro deste distrito, a seguinte organização será criada:

(1) Um representante do distrito da S.C.A.G. será nomeado ou eleito e deverá ser um ministro ativo e se possível um membro da associação de ex-alunos. Este representante representará a S.C.A.G. em todas as atividades do distrito e tomará cargo de montar uma barraca no Concílio Distrital e Convenção de Jovens do Distrito.

(2) Um representante seccional da S.C.A.G. será nomeado em cada seção o qual será um membro ativo, ou alguém interessado na S.C.A.G. Este representante promoverá a S.C.A.G. em todas as reuniões seccionais de alguma maneira. Para assistir o representante seccional, o pastor local nomeará um patrocinador da S.C.A.G. dentro de cada assembléia.

ARTIGO XIV. MINISTROS DE JOVENS

Este Concílio Distrital reafirma que o acordo do Concílio Geral pertinente ao trabalho dos jovens em suas várias estipulações e recomendações. A organização dos Ministros de Jovens do distrito será considerada como parte da organização do Concílio Distrital e assim sendo baixo a supervisão do Presbitério do Distrito.

Seção 1. Nome

O nome desta organização será “THE YOUTH MINISTRIES” (O Ministério de Jovens) do Concílio Distrital da Península da Florida das Assembléias de Deus.

Seção 2. Propósito

O propósito desta organização será:

a. Promover a vida espiritual e desenvolvimento dos jovens das nossas assembléias.

b. Correlacionar o programa do Ministério de Jovens nos níveis local, seccional e distrital.

Seção 3. Objetivos do Departamento

Organizar e encorajar um grupo de jovens ativo em cada assembléia local para o propósito de adoração, comunhão, treinamento e serviço em harmonia com o programa nacional de jovens e os princípios constitucionais do Concílio Distrital da Península da Florida e a assembléia local.

Seção 4. Oficiais

a. Oficiais Executivos

Os oficiais desta organização consistirá de um Diretor de Jovens do Distrito, Diretor de Jovens Assistente, e Secretário.

b. Representantes Seccionais

Representantes de jovens seccional e da área podem ser preenchidos por nomeação pelos Comitês Executivo e Seccional e o Diretor de Jovens do Distrito.

c. Comitê Executivo

Os oficiais executivos, junto com os oficiais executivos do distrito, constituirá o Comitê Executivo de Jovens.

d. Qualificação

Os oficiais desta organização deverão ser jovens cheios do espírito os quais vivem uma vida Cristã verdadeira e consistente e tenham maturidade para ser digno de confiança e competente.

(1) Diretor, Assistente de Diretor e Secretário: estes oficiais deverão ser ministros ordenados, de boa reputação e tendo sido membros do distrito por pelo menos 2 anos. Eles não poderão ser maiores de 35 anos na época da eleição inicial.

(2) Represetantes Seccionais e da área: os oficiais deverão estar comprometidos no ministério Cristão ativo com boa reputação com o Concílio Distrital. Quando não se encontra tal pessoa com essas qualificações, a seção recomendará um leigo qualificado o qual é ativo no trabalho de jovens da seção.

e. Eleições, Termos da Função e Vagas

O Diretor será nomeado e eleito no Concílio Distrital apropriado. O Diretor Assistente e Secretário, que servirá com o Diretor como Comitê Executivo do departmento, será nomeado pelo Comitê Executivo do Distrito em conjunto com o Diretor departamental e nomeado pelo Presbitério Distrital.

f. Obrigações

(1) Diretor

(a) O Diretor devotará tempo integral a esta função.

(b) Presidirá em todas as reuniões de jovens do distrito e convenções e cuidar do trabalho dos jovens dentro do distrito baixo a supervisão do Superintendente Distrital, ou também pode ser dirigido pelo Concílio Distrital, Presbitério Distrital, ou Comitê Executivo do Distrito, e o Diretor será um ex-oficial membro de todos os comitês departamentais.

(c) Estará presente tanto quanto possível nas reuniões seccionais para dar direção e liderança à seccional como ao programa de jovens da igreja local.

(d) O Ministério incluirá reuniões, acampamentos de jovens, , seminários, convenções, visitas à igreja para promover o trabalho dos jovens, e outras reuniões de jovens e atividades conexas.

(e) Fará um reporte do Departamento de Jovens e suas atividades ao Presbitério Distrital e /ou Comitê Executivo do Distrito quando solicitado.

(f) .

(g) Ao Diretor de Jovens será concedido o direito de voto como outros Presbíteros nas sessões do Presbitério Distrital.

(2) Diretor Assistente

O Diretor Assistente assistirá o Diretor. Se o Diretor precisa estar ausente, o Diretor Assistente fará as obrigações do Diretor.

(3) Secretário
O Secretário manterá registro de todos os procedimentos dos negócios da organização e dará reporte periódico no tempo que o Comitê Executivo demandará.

(4) Tesoureiro

O Tesoureiro Distrital será o guardião de todos os fundos.

Seção 5. Finanças

a. O Diretor de Jovens receberá um salário semanal a ser estabelecido pelo Presbitério.

b. O Diretor de Jovens Distrital será sustentado como segue:

(1) Cada igreja é solicitada a escrever o departamento no seu orçamento com uma oferta mensal ou recomendar que cada grupo de jovens sustente o departamento com uma oferta mensal.

(2) Ofertas recebidas durante as visitas do “DYD” às igrejas locais.

(3) Retorno da Velocidade-da-Luz (Artigo XXVI, Seção 2, Estatuto do Concílio Geral)

(4) Suplementos das operações do acampamento de jovens como aportado pelo Presbitério Distrital.

(5) Cada grupo de jovens é requerido a mandar uma oferta semi-anual para as despesas da função.

ARTIGO XV. DEPARTAMENTO DE EDUCAÇ
ÃO CRISTÃ

Seção 1. Nome

O Distrito autorizará e proverá para uma organização conhecida como Departamento de Educação Cristã do Concílio Distrital da Península da Floria das Assembléias de Deus.

Seção 2. Propósito

O propósito provisto para o Departamento de Educação Cristã será:

a. Coordenar esforços nacionais, distritais, seccionais e locais para eficiência, crescimento e desenvolvimento da escola Dominical.

b. Encorajar cada escola dominical no distrito para estabelecer um programa operacional por escrito baseado nas Normas Nacional da Escola Dominical.

c. Promover eficiente escola dominical através de seminários, excursões, convenções, ou por qualquer outro meio aceitável.

d. Supervisionar cada ministério das igrejas relacionados à educação Cristã.




Seção 3. Oficiais

a. O ministério do Diretor de Educação Cristã será incumbido pelo Presbitério Distrital.

b. Um representante da area seccional será nomeado pelos Comitês Executivo e Seccional e pelo Diretor de Educação Cristã do Distrito. O representante será responsável de conduzier pelo menos uma função departamental na seção por ano.

Seção 4. Finanças

a. Cada escola dominical no distrito está suposta a sustentar regularmente o departamento através do dízimo ou uma oferta da escola dominical local.

b. O salário do diretor será estabelecido pelo Presbitério.

ARTIGO XVI. MINISTÉRIO DE MULHERES

Seção 1. Nome

O distrito autorizará e proverá para uma organização conhecida como Departamento do Ministério de Mulheres do Concílio Distrital da Península da Florida das Assembléias de Deus. (Este nome inclui o auxiliar de “Missionetes”).

Seção 2. Propósito

O propósito do Ministério de Mulheres é para unir os talentos e habilidades de todas as mulheres na church para ministrar diante de Cristo em oração, ministério prático, crescimento espiritual, alcançe evangelístico, associação missionária, e desenvolvimento de suas auxiliares, “Missionetes”.

Seção 3. Objetivos Departamentais

O objetivo do departamento é envolver cada grupo de mulheres e clube de meninas locais com ativa participação em todos projetos e eventos patrocinados nacional e distrital, solicitando envolvimento e suporte financeiro. Haverá um manual de normas e procedimentos aprovado pelo Presbitério que estabelecerá estratégias para implementar od objetivos do departamento.

Seção 4. Oficiais

a. Os oficiais do departamento incluirá:

Diretor

Assistente de Diretor

Secretário

Coordenardor Auxiliar (“Missionetes”)

Representantes Seccionais

b. Qualificações

Referir aos Estatutos Artigo II, Seção 2, Parágrafo a.

c. Eleições, Termos da Função, e Vagas

O Diretor será nomeado e eleito no Concílio Distrital apropriado. O Diretor Assistente e Secretário, que servirá com o Diretor como Comitê Executivo do departmento, será nomeado pelo Comitê Executivo do Distrito em conjunto com o Diretor departamental e nomeado pelo Presbitério Distrital. Representantes seccionais serão nomeados por ambos mulheres e meninas, um cada, por seção.

ARTIGO XVII. MINISTÉRIO DE HOMENS

Através deste é feito provisão para a organização e operação do Ministério de Homens neste distrito o qual será considerado um departamento do Concílio Distrital e será sujeito à ele.

Seção 1. Nome

O distrito autorizará e proverá para uma organização conhecida como Departamento de Ministério de Homens do Concílio Distrital da Península da Florida das Assembléias de Deus. (Este nome inclui os departamentos auxiliares de Desbravadores do Rei [Desbravadores da Florida, Inc.] e Luz-para-o-Perdido.).

Seção 2. Propósito

O propósito desta organização será estimular a organização de unidades locais de Ministério de Homens nas várias igrejas deste distrito e a união deles no serviço e comunhão.

Seção 3. Objetivos do Departamento

O objetivo do departamento é envolver cada grupo de homens e meninos local com participação ativa em todos projetos e eventos patrocinados nacional e distrital, solicitando envolvimento e suporte financeiro. Haverá um manual de normas e procedimentos aprovado pelo Presbitério que estabelecerá estratégias para implementar os objetivos do departamento.

Seção 4. Oficiais

a. Os oficiais do departamento incluirá:

Diretor

Assistente de Diretor

Secretário

Coordenardor Auxiliar

b. Qualificações

Referir aos Estatutos Artigo II, Seção2, parágrafo a.

d. Eleições, Termos da Função, e Vagas

O Diretor será nomeado e eleito no Concílio Distrital apropriado. O Diretor Assistente e Secretário, que servirá com o Diretor como Comitê Executivo do departmento, será nomeado pelo Comitê Executivo do Distrito em conjunto com o Diretor departamental e nomeado pelo Presbitério Distrital. Representantes seccionais podem ser nomeados por cada um dos ministros auxiliares.

ARTIGO XVIII. BENEVOLENCIA

É recomendado que cada assembléia local sustente o ministério total de benevolência com uma oferta semi-anual ou incluí-lo em seu orçamento mensal regular.

ARTIGO XIX. O BOLETIM BRILHO DO SOL

O Boletim Brilho do Sol será a publicação oficial do Concílio Distrital da Península da Florida. Seu corpo editorial será os Executivos Distritais.
ARTIGO XX. FUNDAMENTOS DA CONFERÊNCIA DISTRITAL

a. “Masterpiece Gardens Family Conference Center”, localizado perto de “Lake Wales” propriedade do distrito e operado pelo distrito.

b. Cada igreja é requerida a comprometer-se anualmente para o sustento do centro de conferência.

c. Cada ministro será encorajado a contribuir para o centro de conferência regularmente.

d. O Presbitério Distrital será autorizado a manter o centro de conferencia e fazer quaisquer melhoramentos que julgar aconselhável para o seu desenvolvimento.

e. O Diretor de Desenvolvimento Distrital supervisionará as operações do dia-a-dia do centro, e seu pessoal, em consulta com o Comitê Executivo do Distrito, e baixo a supervisão do Presbitério Distrital.

f. O centro proverá para as necessidades de cada distrito e função departamental em bases imparciais, e quando não for necessário, as dependências serão alugadas para outros grupos, dando preferência às nossas próprias igrejas e instituições.