divisões e departamentos ministeriais, publicações, etc.

Seção 5. Intervenção do Distrito na Assembléia Local
a- Intervenções de Circunstâncias Requeridas
Enquanto o direito de uma assembléia local de governo próprio são os princípios básicos do Concilio Geral, é também reconhecido que a assembléia tem uma responsabilidade ao Concilio Distrital e Concilio Geral, estes tem a responsabilidade para com a assembléia. Algumas circunstâncias que podem causar a intervenção do oficial distrital são as seguintes:
(1) Divisão resultando em ruptura.
(2) Posse de autoridade ditatorial por um pastor ou diretoria.
(3) Ausência prolongada da liderança pastoral.
(4) Desvio ou abandono dos princípios e praticas das Assembléias de Deus.
(5) Tentativa de se desafiliar da Congregação das Assembléias de Deus
(6) Irresponsabilidade nas Finanças.
(7) Trazer vergonha as Assembléias de Deus por estar em um estado de confusão.

b- Intervenção no Procedimento
O distrito pode requisitar uma reunião com a diretoria ou congregação, ou o Oficial Distrital pode estender um convite. Isto pode acontecer pelas seguintes maneiras:
(1) Pelo requisito do pastor.
(2) Por uma ação da diretoria.
(3) Por um pedido da congregação de acordo com as providencias de estatutos.
(4) Pela iniciativa do distrito, com precedência a aprovação do Presbitério.

c- Política Distrital de Preservação para Assembléias Afiliadas
Se uma situação aparecer que possa requerir iniciativa e envolvimento do distrito (ver seção 5, parágrafo a), o Comitê Executivo Distrital deve reunir com a diretoria de oficial, pastor, e/ou congregação para auxiliar a igreja. O Comitê Executivo pode levar a igreja a supervisão distrital com o aprovação do Presbitério se alguma ocasião se levantar no qual eles sintam a necessidade de preservar a assembléia. A igreja deve obter o direito de apelar de acordo com a Constituição do Concilio Geral Artigo XI, Seção 1, parágrafo e.

Seção 6. Disciplinas das Assembléias
Desde a aprovação de uma assembléia é a prerrogativa do Presbitério Distrital e concilio geral é indicado e assegurado pelo certificados apropriados de afiliação, o Concilio Distrital Brasileiro tem o direito de requisitar uma reunião com a assembléia se por alguma razão valida o seu estatuto esta em questão. O Concilio Geral das Assembléias de Deus tem o direito de tirar os seus certificados de membresia se julgar necessário (Ver Constituição do Concilio Geral Artigo XI, Seção1, d).

Seção 7. Novas Assembléias Procedentes de Divisões
a- Critério de Reconhecimento
Quando os esforços de manter a unidade e harmonia em uma assembléia tiverem falhado, e a divisão resultar na formação de uma nova congregação, o distrito deve exercer fortemente e com sabedoria a liderança em averiguar os fatos, e procurar preservar as Assembléias de Deus partidário da Congregação. Entre as normas dos princípios éticos, doutrinas, políticas distritais, o distrito deve procurar reter qualquer grupo meritório dentro das Assembléias de Deus.

b- Critério para Disciplina de Pastor que esta Envolvido
Circunstâncias da ocasião poderia determinar se o ministro deve ser disciplinado ou excluído na própria igreja original ou o grupo dissidente, ou até mesmo residente na área onde a divisão ocorreu. Se um ministro for culpado de conduta errada ou atitude errada que venha resultar em divisão, o Presbitério Distrital tomará as atitudes necessárias junto ao Bylaws do concilio Geral.

· Seção 8. Propriedades da Igreja
a- Título
Cada congregação Local ou Igreja Ministerial que tenha soberania terá o direito te manter o nome de sua corporação ou nos nomes de seus próprios procuradores. Se este plano for considerado como não praticável, a Igreja Ministerial ou a congregação terá o direito de ter a propriedade no nome do Concílio Distrital, até que seja considerado conveniente devolver a propriedade ao controle geral da assembléia. Esse plano deverá ser submetido à aprovação do Presbitério Distrital.

b- Proteção
Com a intenção de proteger os interesses daqueles cujo único propósito em providenciar ou obter uma propriedade é de estabelecer ou de manter uma Assembléia de Deus, no evento de qualquer Distrito Brasileiro da Assembléia de Deus, quer seja tanto autônomo ou afiliado, ser afetado por uma dissensão, divisão ou outras razões que uma maioria governante de seus membros se tornem afiliados como algum outro tipo de organização, ou que os ensinamentos e as práticas já não encorajam as declarações de fé incorporada na nossa constituição; ou por qualquer razão uma igreja deve parar de funcionar, todos os direitos da propriedade deverão passar a estar sob o controle do Comitê Executivo do Concílio Distrital Brasileiro, até o momento em que uma Assembléia de Deus volte a funcionar ou que as condições indiquem que o funcionamento de tal igreja na localização predita não é possível. Em cada caso, o Comitê Executivo será autorizado a liquidar a propriedade e usar os procedimentos para promover os interesses das Assembléias de Deus em outro lugar. Quando necessário, o Comitê Executivo Distrital, como os procuradores da corporação, serão autorizados em agir em favor do Presbitério Distrital, para procurar auxílio legal para que a Igreja seja retida como propriedade da Assembléia de Deus.

Seção 9. O Nome das Assembléias Locais
O nome “Assembléia de Deus”, deverá ser usado para identificar propriamente nossas Igrejas e onde isso não for possível, as palavras “Assembléia de Deus” deverão ser usadas ou deverão estar inclusas como o nome da presente igreja.

Seção 10. Da Localização das Igrejas
Toda e qualquer igreja nova em uma região deverá ser estabelecida com a aprovação do Conselho Regional e Mesa Executiva do Distrito. As igrejas deverão obedecer suficiente distância uma da outra para facilitar a cooperação.

Seção 11. Recomendações de Membresia
Cada candidato para membresia nas Igrejas afiliadas, deverá dar um claro testemunho de ter nascido do Espírito de Deus ( João 3:3-8), e que tenha recebido o Espírito Santo ou que esteja sincera e seriamente procurando ser batizado no Espírito Santo (Atos 2.2-4). É esperado do aplicante que este, siga o mandamento da Bíblia de ser batizado em água por imersão no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mateus 28.19); A crença sincera na inspiração das Sagradas Escrituras como sendo a Palavra de Deus e a autoridade final em tudo o que diz respeito de fé e conduta; Evidências de uma vida Cristã consistente( Romanos 6.4; 8.1-4; 13.13-14; Efésios 4.17,32; 5.1-2,15; I João 1.6-7); E a esperança e a expectação da vinda Pré- Milenial do Senhor Jesus Cristo. Tudo isso deverá ser considerado para a membresia.

Seção 12. Transferência de Membresia
a- Pessoas que desejam transferir a sua membresia de uma Assembléia para outra deverão requisitar uma carta de transferência do seu pastor.

b- Os pastores deverão conceder as cartas de transferência dos membros que a requisitaram, a menos que tais membros sejam culpados de pecado ou de erros doutrinários.

c- É recomendado que os dois pastores que estejam envolvidos nas transferências das membresias se comuniquem um com outro informando o acontecido.

d- No evento de ser negado a carta de transferência a um membro que esteja desejando a mesma, ele terá o direito de apelar para o Comitê Executivo Secional, na presença dos dois pastores.

Seção 13. Arbitragem
No caso do desenvolvimento de um desentendimento na vida da assembléia, o Superintendente Distrital, poderá ser chamado para ajudar na arbitragem do problema.

Seção 14. A Assembléia “Cooperativa”
O Concílio Distrital desaprova as igrejas fretadas como corporações fechadas ou envolvidas em posse privada. Qualquer que esteja originando um novo trabalho que não esteja em conformidade como este regulamento deverá ser considerado inútil e deverá ser disciplinado de acordo com os Regulamentos e a Constituição do Distrito.

ARTICLE XI. MISSÕES MUNDIAIS
Seção 1. Missões
a. Apoio às Missões
É espero das assembléia locais, que estas tenham interesses na atividade missionária, e que planeje dar contribuições regularmente para o apoio da atividade missionária. ( Constituição do Concílio Geral, Artigo XI, Seção 3).

b- Plano de Missões Mundiais
É recomendado que todas as ofertas para as Missões Mundiais deverão serem divididas da seguinte maneira: 70 % para Missões Estrangeiras, 5% para as despesas do Escritório de Missões Estrangeiras, 5% para as Missões Nacionais ou Domésticas, 20% para o Distrito de Missões Nacionais. Ofertas do tipo Speed-The-Light deverão ser dividas da seguinte maneira: 72% para as Missões Estrangeiras e Missões Nacionais Speed-The-Light, 18% para o Distrito de Missões Nacionais Speed-The-Light, 10% para o Departamento Nacional da Juventude, Custos Administrativos Speed-The-Light. A parte que for devolvida para o distrito deverá ser designada para a compra e a construção de propriedades em campos pioneiros, incluindo ministros Chi Alpha com a exceção de que até a metade dos 18% que foram devolvidos ao Distrito de Missões Nacionais sob World Speed-The-Light serão permitidos para a administração do escritório do Departamento de Juventude Distrital, seguindo as descrições do oficial do Distrito.

c- Apoio da Divisão de Missões Estrangeiras
Os custos operacional da Divisão de Missões Estrangeiras, em adição para a as contribuições de missionários para esse propósito, é provido da seguinte maneira: 5% de todas as ofertas do Plano de Missões Mundiais. Ofertas designadas para os custo de escritório, mantendo as recomendações que aquele que não contribui sob o Plano Mundial de Missões deverá designar uma parte de suas ofertas para os custos do escritório. Uma apropriação de até 10% das contribuições sem desígnio.

d- Secretário de Missões
O secretário de Missões deverá ser apontado para assistir o Superintendente no planejamento de itinerários missionários e programas missionários especiais através do distrito.

Seção 2. Ministérios Mundiais de Doação
a- Apoio Regular de Igrejas Encorajadas
Em ordem de apoiar e desenvolver o trabalho e os ministérios das Assembléia de Deus domésticos e estrangeiros, todas as igrejas deverão ser encorajadas a mandar ofertas em intervalos regulares.

b- Relatórios Conjuntos para todas as Ofertas
Um relatório conjunto de todas as ofertas que são designadas para os departamentos deverão ser emitidos sob a legenda do Ministérios Mundiais de Doação. O propósito é prover reconhecimento das contribuições para todos os ministérios do Concílio Geral das Assembléias de Deus, para posicionar cada pedido e ministério em um nível igual, para prestar encorajamento para Igrejas e contribuintes individuais, e para determinar a petição pela qual eles responderão sob a liderança do Espírito.

c- Categories of Ministries for Which Credit is Given for Offerings
O reconhecimento dos Ministérios Mundiais de Doação deverá prover crédito para as igrejas das Assembléias de Deus , designado para contribuições para missões estrangeiras e nacionais, evangelismo spiritual life, manutenção dos escritórios executivos, educação, Escola Dominical, juventude, radio e TV, benevolência, ministérios femininos, ministérios masculinos, instituições educacionais, e outros projetos patrocinados pelo Concilio Geral regional e pelo distrito. É entendido que nenhum distrito ou região receberão crédito para projetos especificamente rejeitados pelo Concílio Geral.

d- Relatórios Anuais
Cada igreja das Assembléias de Deus deverá requisitar para manter consigo, um registro atualizado de sua membresia e um relatório do mesma deverá ser enviado anualmente, nos formulários providos, para o escritório do Secretário do Distrital e para o Secretário Geral do Concilio.

e- Salvaguardando as Assembléias de Ministérios não aprovados ( Regulamentos do Concilio Geral, Artigo VI, Seção 3)
(1) É conhecido que muitos incertos e inseguros professores e pregadores procuram entrar nas assembléias sem qualquer recomendação. Por causa disso, todos os pastores, funcionários, e líderes das Assembléias deverão fazer uma investigação apropriada concernente essas pessoas que não são conhecidas, e a plataforma deverá ser negada a estranhos até que uma recomendação adequada seja adquirida.
(2) Como o uso de evangelistas que não são das Assembléias de Deus, pode trazer confusão e problemas em detrimento à Congregação, é recomendado que as Assembléias de Deus usem evangelistas das Assembléias de Deus.
(3) O conselho e o aviso do Presbitério Distrital em todas as questões de importância. Pastores, presbíteros, e oficiais distritais devem manter uma troca de informações recíproca relativo a pessoas que não são confiáveis e que estão procurando o ministério nas nossas assembléias.


Seção 3. Missões Domésticas
a- Modelos
Esta é uma aproximação multifacetada para novas igrejas implantadas apoiadas pela pareceria da junta cooperativa entre pastores, igrejas, seções, e distrito. As seguintes estratégias deverão ser utilizadas.
(1) A Igreja Mãe dá o pessoal e as finanças, provê supervisão e assume a responsabilidade pela nova igreja.
(2) A aproximação do tipo Big Brother, assiste a nova Igreja com pessoas e finanças.
(3) O método de pais adotivos, gera uma igreja, distante da Igreja Mãe.
(4) A aproximação do tipo Sharing Parent, une os esforços de um grupo de Igrejas para gerar uma nova Igreja.
(5) A aproximação do tipo Distrito Assistido, gera igrejas em certas áreas onde a necessidade existe.
(6) A aproximação do tipo Pastores fazedores de Tendas, utiliza-se de homens que financiam a si mesmos, como outros trabalhos enquanto eles geram novas igrejas.

b- Comitê de Missões Domésticas
O Presbitério Distrital deverá constituir o Comitê de Missões Domésticas Distrital. Eles fornecerão uma constituição e os regulamentos para governar missões domésticas e o distrito de assembléias afiliadas, e desenvolver apólices de missões Domésticas distritais, como podem considerar aconselhável.

c. Comitê Secional
Cada seção do distrito terá um Comitê Secional de Missões Domésticas, consistindo de um Presbítero, um Presbítero assistente e um Secretário Secional eleito pelo Concílio Secional apropriado. Esse comitê trabalhará em cooperação com o Comitê de Missões Domésticas Distrital. O presbítero local consultará o Comitê Secional em qualquer decisão importante que afete as missões domésticas e as assembléias afiliadas do distrito.


d. Diretor
A pasta do Diretor de Missões Domésticas será designada pelo Quadro de Presbitério.

e. Fundos
O Tesoureiro Distrital controlará todos os recebidos e desembolsos de missões domésticas das várias seções.

f. Renda
Podendo os fundos para as Missões Domesticas Distrital serem aumentados, aconselha-se que:
(1) Cada igreja designe pelo menos 20% de suas ofertas “World Ministries” mensais enviadas para Springfield para o Distrito de Missões Domésticas, ou que envie essa quantia diretamente para o Departamento Distrital de Missões Domésticas.
(2) Cada Igreja participará da contribuição para o Desfile Local Anual, no Concílio Distrital, patrocinado pelo distrito do ministério feminino.

g. Empréstimos e Doações Distritais
Em projetos especiais de escala distrital, o Presbitério será autorizado a estabelecer a quantia que deverá ser investida do Fundos de Missões Domésticas,em novos trabalhos e e doações e empréstimos temporários.

h. Procedimento para Novas Igrejas
(1) Qualquer individuo ou igreja que desejar estabelecer um novo trabalho, deverá primeiro contatar o Superintendente Distrital em favor de obter instruções para áreas estratégicas por todo o distrito onde novos funcionários são necessários.
(2) Quando uma área for considerada favorável pelo proponente do novo trabalho, este deverá entrar imediatamente em contato com o Presbítero Secional, antes de qualquer iniciação do novo trabalho ser feito, que deverá estabelecer uma reunião como o Comitê Secional para analisar o devido proponente. Qualquer pastor ou quaisquer pastores de qualquer igreja já estabelecida na área poderá também ser convidado e ouvido.
(3) O Comitê Secional determinará os méritos do novo trabalho sugestionado, e relatarão seus resultados e recomendações de ação para o Comitê Executivo Distrital.
(4)Se o novo trabalho proposto ou o ministro que deseja iniciar o novo trabalho não for aprovado pelo Comitê Secional ou pelo Comitê Executivo, a decisão poderá ser apelada para o Presbitério Distrital, cuja decisão será final.
(5) Se a nova igreja proposta for aprovada, os trabalhos estarão debaixo da supervisão do Comitê Secional e do Comitê Executivo até que seja garantida soberania, e opere pela Constituição e Regulamentos Distritais para igrejas distritais supervisionadas.
(6) A seleção de um ministro para um novo trabalho deverá ser revisada e renovada anualmente pelo Concílio Secional, e a seleção pode ser retirada a qualquer momento se considerado aconselhável pelo Comitê Secional e Executivo.
(7) Nenhuma dívida ou obrigação financeira será mantida para um novo trabalho sem prévia aprovação escrita do Escritório Distrital em recomendação do Comitê Secional e Executivo. E nenhum ministro responsável por um novo trabalho investirá fundos pessoais no trabalho já citado, prevendo reembolso sem a devida aprovação.
(8) Toda assistência às missões domésticas para um novo trabalho será concluída no final de cinco anos, a menos que alguma exceção específica seja feita pelo Presbitério Distrital.
(9) Nenhuma instalação deverá ser erguida ou adições serem feiras em instalações já existentes, ao menos que os planos e o financiamento tenha sido aprovado pelo Comitê Secional ou Executivo.
(10) Todas as propriedades para novas e supervisionadas assembléias deverão ser feitas para o Concilio Distrital das Assembléias de Deus da Flórida Peninsular, e deverão ser mantidas sob a confiança de seus procuradores até que seja garantido a soberania. Nenhuma igreja será concedida soberania até que o Escritório Distrital seja liberado de todas as obrigações financeiras.
(11)Todas as Igrejas supervisionadas do distrito deverão mandar relatórios mensais para o departamento de Missões Domésticas Distrital, nos formulários providos pelo mesmo, e deverão enviar relatórios anuais num tempo designado pelo Presbitério Distrital.

i- Localização
Cada seção do Concilio Distrital deverá preparar e manter atualizado, um mapa indicando localizações estratégicas para possíveis empreitadas de missões domésticas. O Comitê Executivo Distrital e o Comitê Secional deverão dirigir pessoas interessadas em missões domésticas para esses lugares estratégicos.

j- Mudança de Local
Visto que algumas igrejas já existentes necessitam mudar de localização devido a problemas de zoneamento, a falta de desejo das áreas disponíveis, a mudança do caráter do bairro devido a mudança de população, somado a outros problemas similares, forçando-as assim a se mudarem para sua nova localização a uma distancia muito grande, deixando completamente o local onde foi construído a sua membresia, e não podem conseguem alcançar um acordo com as outras assembléias envolvidas, essas igrejas terão o direito de apelar para o Presbitério Distrital. O Presbitério deverá ter uma audição convidando os pastores de todas as assembléias envolvidas e será permitido que estes expressem as suas opiniões. O Presbitério oferecerá uma decisão para a localização e a decisão do Presbitério será considerada final.

Seção 4. Solicitação de Fundos
a- Todos os Missionários
Será requisitado de todos os missionários que visitem as nossas assembléias, a amostra de uma carta de recomendação do nosso Superintendente Distrital.

b- Apelos
Assembléias, ministros e membros são veementemente desencorajados a ofertarem indiscriminadamente para missionários, ou organizações missionárias, que fazem apelos financeiros através de cartas e circulares, pondo assim em perigo o melhor dos interesses o Quadro Missionário do nosso Concilio Geral, pela desigualdade de distribuição de fundos missionários.

Seção 5. Programa Missionário do Departamento de Juventude Distrital
Recomenda-se que nossas assembléias cooperem na totalidade com o Programa Missionário do Departamento de Juventude Distrital.

ARTIGO XII. FINANÇAS

Seção 1. Recibos

a. Ministros

(1)Ministros Distritais

Idem Pág 17

(2)Outros

Ministros estrangeiros,nacionalmente nomeados e/ou capelões militar aprovados deverão adaptar-se ao Estatuto do Concílio Geral Artigo VII seção 8, Parágrafo c, Números (1), (2), e (3) como possa ser aplicado à eles.

b. Assembléias Preâmbulo

É reconhecido que para qualquer organização sobreviver e servir efetivamente, esta deve ter o suporte moral e financeiro de seus eleitores.

(1) Concílio Distrital

É requerido de cada assembléia mandar uma oferta mensal ao conta de administração do distrito. Um reporte das igrejas participantes será dado no Concílio Distrital.

(2) Concílio Geral


Logicamente, a contribuição do Concílio Geral segue a contribuição do Concílio Distrital. Se possível permita que cada assembléia tire um oferta cada ano para a manutenção escritório da sede nacional e os gastos de viagem dos oficiais executivos.

c. Títulos

O Presbitério Distrital é autorizado a emitir títulos de anuidade para venda.

d. Investimentos

Todos os investimentos devem ser negociados pelo Tesoureiro Distrital em consulta com o Superintendente do Distrito e de acordo com as normas aprovadas pelo Comitê Executivo. Eles deverão reportar mensalmente ao Comitê Executivo, a cada três meses ao Presbitério Distrital, e anualmente ao Concílio Distrital.
Seção 2. Desembolsos

a. Salário dos Oficiais e Despesas

O salário de todos os Oficiais Distritais e despesas de viagens incidentes do trabalho dos seus oficiais deverão ser estabelecidas pelo Prebitério Distrital.

b. Outros Desembolsos

(1) Uma oferta mensal igual a 5% da contribuição dos ministros deverá ser enviada para S.C.A.G.

Seção 3. Fundos de Assistência para Emergências

a. Os fundos deverão ser estabelecidos e mântidos para assistir os ministros numa emergência.

b. O Comitê executivo administrará e distribuir estes fundos para necessidades e emergências estabelecidas por ação do Comitê Executivo e/ou Presbitério Distrital.

Seção 4. Associação de Benefícios aos Ministros

a. Organização

O Presbitério executivo será autorizado a colocar em operação uma Associação dos Ministros das Assembléias de Deus disponível para todos os ministros ordenados e licenciados das Assembléias de Deus a qual terá como objetivo a acumulação de fundos para fazer possível a aposentadoria de seus membros na idade de 62 anos, ou mais tarde, com um salário mensal por vida ou uma